E se fossem brincar ao pião?

E não é que bastou uma conferência de imprensa em conjunto, e as taxas das obrigações a 10 anos começaram a disparar. Segundo estes senhores, as políticas de austeridade estão a “deprimir as economias e dividir as sociedades”. Pontos de vista muito populistas, mas que não ajudam nada a estabilizar os mercados.

img_890x5002016_04_11_11_34_19_282582

Via Jornal de Negócios (aqui)

E se fossem jogar ao pião?

Já vos disse que odeio aeroportos e aviões?

Eu acho que existe um conspiração montada para me dificultar a vida nas viagens. Passo a explicar.

Esta viagem está a ser – deveras – diferente: viajar com o puto é um desafio. São 1454 km com um stop em Paris e 4881 km para terminar. Estreia de fogo, sem dúvida.

O problema começa quando o colaborador da AirFrance durante o checkin em Lisboa despacha as bagagens para o destino final e não para Paris. Olha que fixe… ficava sem fraldas nem leite para o miúdo, sem necessaire , sem muda de roupa, idem idem… durante o stop em Paris. Mensagem passada, etiquetas trocadas, siga a “viagem”.

Depois o filme do carrinho de bebé. À porta do avião uma operadora do handling coloca o chassis e o ovo em dois sacos, ambas as partes identificadas pelas respectivas etiquetas. Chegada à Paris, expectativas em alta no tapete da bagagem fora de formato. Chega o ovo, uffff. De repente toca uma sirene sinalizando o término da entrega das bagagens, e como que no mesmo ápice ouve a porta do mesmo tapete fechar-se. (Lembram-se de vos ter dito que “despachei” à porta do avião duas peças?) FALTAVA O CHASSIS! Lá vamos nós para o balcão da AirFrance, a Cath com o puto nos braços, eu com a empurrar dois chariots de bagagem com 4 ‘malões’, a mala do bebé, e uma bagagem de mão com os portáteis, iPad, máquinas fotográficas, etc…
“A bagagem foi passada pelo scanner”, e eu com a minha calma e com o meu fantástico sotaque parisiense do Lumiar/Lisboa: “pourquoi il n’est pas dans le tapis?”. Foram verificar. 15 minutos depois voilá, vem o chassis. Surpresa das surpresas, abrimos o saco de plástico danificado e faltava uma das peças que permitem encaixar o ovo no chassis. Lindo serviço. Só vejo a Cath a correr na sala em direcção ao tapete 21 com uma das peças, na esperança que ela tenha caído por ali perto.

Resultado final: correu tudo bem. Mas foi sinistra a primeira parte. Esperamos que agora seja sempre a descer, pois a descer todos os Santos ajudam. E o destino final é “lá em baixo”.

Uma SMS vale. Mais do que muitos outros gestos.

Sabe bem. Porque foi uma surpresa é porque chegou num dia em que a moral estava em baixo.

  
Abraço. Daqueles.

Porquê?

Porque ler é um vicio. Acompanhar blogs faz parte de um rol de actividades que adoro fazer – interessa-me a opinião dos outros. E porque quero partilhar a minha opinião. Quero encurtar distâncias da família, amigos, colegas e conhecidos. Vai-me apetecer partilhar música, escrever sobre política, blocos de código, receitas magníficas, fotografias espectaculares. E vou adorar receber os vossos comentários.